Contrações dos músculos do pescoço são responsáveis pelo terrível torcicolo, popularmente conhecido como "travamento do pescoço".

em 06 de abril de 2018

TORCICOLO: O QUE É, CAUSAS, SINTOMAS E TRATAMENTOS

 

Devido ao ritmo de vida da contemporaneidade, aumentaram-se os fatores estressores presentes no dia-a-dia, por isso, a maioria da população adulta já passou ou ainda vai passar pela situação de tensão na região do pescoço.

O pescoço é uma das áreas do corpo humano com mais quantidade de músculo, não em extensão, mas em quantidade, isto é, é uma área composta por pelo menos 16 músculos.

O principal músculo do pescoço que está envolvido com o torcicolo é o esternocleidomastoideo, localizado na lateral do pescoço, próximo à jugular. No entanto, o torcicolo não envolve apenas o nível muscular, pode ter relação com outras estruturas orgânicas.

 

O QUE É TORCICOLO?

 

torcicolo é um problema bastante conhecido popularmente, assim, quando se pergunta do que se trata, logo o ouvinte ou leitor associa com o travamento do pescoço. E isto está correto, o torcicolo consiste na torção rígida causada pela contração, com ou sem espasmos, do músculo esternocleidomastoideo esquerdo ou direito.

Com isto, o pescoço se posiciona para um lado específico, a cabeça fica inclinada para um lado e o queixo para o outro, com dificuldade de rotação para o outro lado e para trás.

É bastante comum que a rigidez inicie pela manhã, logo quando o paciente acorda, mesmo que antes de dormir não tenha sentido nenhum sintoma significativo. Este distúrbio afeta ambos os sexos em qualquer idade, mas é mais frequente em mulheres e em pessoas de meia idade.

 

CAUSAS DO TORCICOLO

 

 

torcicolo pode ser casado por diversos fatores, assim, as causas são critérios de classificação do torcicolo em tipos distintos, como:

Torcicolo congênito: durante a gestação, ocorre fibrose congênita de apenas um lado do músculo esternocleidomastoideo, causando um encurtamento das fibras deste músculo ou durante o nascimento, em que pode ocorrer um traumatismo capaz de gerar endema no músculo, isto é, acumulo de líquido, o que pode gerar o torcicolo temporário ou definitivo;

Torcicolo dermatogênico: quando há lesão na pele do pescoço e a mesma é encurtada, causa limitação do movimento, geralmente ocorre em casos de queimaduras ou retrações causa das por cicatrizes;

Torcicolo espasmódico: este é o mais comum, a rigidez neste caso é causada pelo aumento do tônus muscular, de forma que a carga emocional, sobrecarga física ou movimento brusco e súbito são os fatores desencadeantes mais comuns neste tipo de torcicolo;

Torcicolo vestibular: relacionado não ao músculo, mas à estrutura intra-auricular responsável pelo equilíbrio, ou seja, o labirinto. Neste caso, a rigidez é quando há disfunção no labirinto, de forma que a pessoa busca compensar o desequilíbrio alterando a posição da cabeça;

Torcicolo neurogênico: quando ocorre algum distúrbio ou acidente em nível neural, como AVC e traumatismos;

Torcicolo ocular: este tipo tem sua causa relacionada com a paralisia de músculos envolvidos com a inclinação e a rotação da cabeça, isto é, os músculos oblíquos extra-oculares;

Torcicolo reumatológico: sua causa é relacionada a doenças reumatológicas que afetam os músculos do pescoço;

Dessa forma, as causas do torcicolo podem estar relacionadas com a musculatura do pescoço, quando há alteração fisiológica no nascimento, quando há hipertonicidade devido ao estresse, à má postura, lesões, exposição ao frio, fadiga muscular, etc.

As causas podem ainda estar relacionadas com outras estruturas orgânicas, como a pele, o labirinto, o sistema nervoso e os olhos.

 

SINTOMAS DO TORCICOLO

 

Os sinais que o torcicolo apresenta incluem:

-Rigidez do pescoço;

-Dor no pescoço;

-Dor de cabeça;

-Limitação em movimentar a cabeça;

-Elevação do ombro do lado da torção;

-Inchaço na região;

-Tensão;

-Tremor em alguns casos.

É importante esclarecer que raramente o paciente apresenta todos os sintomas, mas sim, um conjunto com a maioria deles, dessa forma, os principais para fins diagnósticos são a dor e a rigidez no pescoço, a tensão e a limitação de movimento.

Também é relevante explicar que a dor no pescoço é sentida quando há tentativa de movimento ou quando a região é apalpada, quando a pessoa mantém a cabeça estática na mesma posição, a dor é evitada.

A duração dos sintomas costuma atingir, no máximo, uma semana.

Quando o período ultrapassar este limite ou quando houver muita freqüência de episódios com intervalos curtos, é recomendado procurar o médico. Caso contrário, isto é, quando os sintomas somem rapidamente e o episódio é esporádico, o tratamento pode ser realizado pelo próprio paciente.

 

TRATAMENTO PARA O TORCICOLO

 

Primeiramente, é importante conhecer as medidas de prevenção. Sabemos que o estresse é um forte fator desencadeante do torcicolo, por isso, uma das medidas de prevenção inclui a eliminação de fatores estressores no dia-a-dia, principalmente quando os episódios de torcicolo são muito frequentes.

Eliminar os fatores estressores ou evitar situações estressoras inclui reconsiderar o emprego, afastar-se de pessoas tóxicas, reavaliar o ambiente no qual está inserido, pois somos reflexo do ambiente, solucionar pequenos problemas presentes na rotina e, por fim, investir mais no lazer e em momentos descontraídos.

Além disso, outras medidas preventivas incluem trocar o colchão e travesseiros por modelos mais anatômicos e confortáveis; trocar a mobília do trabalho, ou seja, utilizar uma cadeira ou poltrona que favoreça a postura; realizar atividade física, como uma caminhada, contribui ao fortalecer a musculatura, ao melhorar a postura, ao equilibrar o tônus muscular e ao reduzir o estresse; realizar alongamento diariamente; proteger o pescoço do frio; alinhar o computador na altura da cabeça e levantar objetos pesados do chão flexionando os joelhos totalmente.

 

Agora, em relação ao tratamento propriamente dito, este envolve inicialmente o repouso e relaxamento. Verifique as recomendações indicadas para esta finalidade:

Ambiente relaxador: é importante que seja organizado um ambiente relaxante para o repouso, sem que haja estímulos que possam trazer tensionamento, preocupação, estresse ao paciente;

Exercícios: com suavidade e muita cautela, pode-se realizar exercícios de rotação, tentando mexer o pescoço de um lado para o outro, porém, é preciso respeitar o limite individual, vale enfatizar que devem ser feitos com suavidade, lentamente e com muito cuidado;

Massagem: deslizar as mãos ou solicitar que alguém o faça, pressionando levemente a região afetada, isto pode aliviar a dor e proporcionar relaxamento do músculo tensionado;

Colar cervical: imobilizar o pescoço é importante durante o repouso, podendo ser substituído por uma toalha macia envolta do pescoço e prendendo-a firmemente;

Evitar atividades físicas: somente durante o repouso e até que os sintomas sejam controlados, é preciso evitar caminhar muito, correr, nadar, musculação, etc, pois estas atividades são benéficas na prevenção do torcicolo, mas quando o mesmo já está instalado, deve-se evitar a contração do músculo;

Aplicação de temperatura: intercalar compressas quentes e frias é recomendado, pois o calor auxilia no relaxamento muscular e o frio auxilia no alívio da dor.

Em relação ao tratamento medicamentoso, podem ser administrados oralmente analgésicos, anti-inflamatórios ou relaxantes musculares, bem como podem ser aplicados adesivos, géis ou pomadas que contenham propriedade analgésica.

A fisioterapia é indicada, assim como técnicas de agulhamento a seco e atividades físicas que não sobrecarreguem o pescoço, como Pilates e Yoga, que  proporcionam alongamento e mais flexibilidade.

Nos casos congênitos o tratamento deve iniciar logo na primeira infância, nos casos dermatogênicos, o tratamento deve iniciar também logo após a detecção da agravante. Em ambos os casos, pode ser necessária a intervenção cirúrgica para correção do músculo ou da pele, respectivamente.

É importante ficar atento e procurar um especialista caso os sintomas persistam e se intensifiquem.

O torcicolo parece inofensivo, mas pode ser um sinal de alerta para outras doenças ou distúrbios emocionais que devem ser tratados adequadamente.

Por isso, a consulta médica se faz fundamental, uma vez que o médico poderá eliminar outras suspeitas e encaminhar para profissionais específicos tanto da área médica como nos casos em que o estresse é um fator predominante, encaminhar ao psicoterapeuta.

Isto é, mesmo que o médico recomende apenas uma atividade física e uma adoção de hábitos melhores, estas já são medidas extremamente importantes na preservação da saúde. 

O diagnóstico precoce é de suma importância em todos os casos de torcicolo, pois a partir dele é possível traçar o tratamento adequado para cada tipo.