Pesquisa indica que idosos são mais atingidos por tombos, que podem provocar, lesões nos quadris e coluna.

em 03 de agosto de 2018

Queda em idosos estão entre as maiores causas de traumas de coluna no Brasil.

Uma pesquisa feita na Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo) mostra que os traumas de coluna, são causadas principalmente por quedas, a maioria delas, de idosos.

A população idosa vem crescendo cada vez mais no Brasil. O número de brasileiros com mais de 60 anos superou os 30 milhões, segundo projeções estatísticas, as mulheres são maioria expressiva nesse grupo, com 16,9 milhões (56% dos idosos), enquanto os homens idosos são 13,3 milhões (44% do grupo).

Fatores de risco

O risco de cair aumenta significativamente com a idade e com o nível de fragilidade, sendo que os fatores responsáveis por uma queda podem ser relacionados com o indivíduo e/ou relacionados ao ambiente.

Os fatores relacionamos ao ambiente podem estar associados a: pisos escorregadios, encerados e molhados, ausência de corrimão, assentos sanitários muito baixos, prateleiras muito altas, mesas e cadeiras instáveis, calçados inapropriados, escadarias inseguras, calçadas esburacadas, degraus de ônibus muito altos, iluminação inadequada, tapetes soltos ou com dobras, roupas excessivamente compridas, obstáculos no caminho (objetos, fios), entre outros.

Os fatores relacionados ao indivíduo podem estar associados às alterações fisiológicas, como a idade, baixa aptidão física, fraqueza muscular de membros inferiores, equilíbrio diminuído, dores agudas ou crônicas na coluna, cabeça e membros inferiores, uso de medicamentos, problemas com pressão ou diabetes, artrite, artrose, osteoporose, problemas com depressão, tontura, entre outros.

Os riscos dependem da frequência de exposição ao ambiente inseguro e do estado funcional de cada idoso.

Consequências

Dentre as principais consequências que podem ocorrer devido as quedas em idosos, podemos destacar:

  • Consequentes lesões resultantes destas constituem um problema de saúde pública e de grande impacto social, o envelhecimento populacional.
  • Possíveis fraturas, risco de morte, medo de cair, restrição de atividades, declínio na saúde e o aumento do risco de institucionalização.
  • Fraturas são uma das consequências mais comuns entre idosos após uma queda, principalmente as fraturas de coluna e quadril, sendo que cerca de 90% das fraturas de quadril são causadas por quedas.
  • O risco de institucionalização e a perda da independência são também consequências decorrentes das quedas que merecem atenção na população idosa.
  • As quedas geram prejuízo físico (restrição de mobilidade, incapacidade funcional) e psicológico (isolamento social, medo de cair novamente, insegurança).

Prevenção

A queda é um evento preocupante na vida dos idosos e, por vezes, com consequências muito sérias. Recomenda-se aos profissionais da saúde e cuidadores envolvidos na atenção ao idoso um investimento intensivo no sentido de identificar o idoso de risco e orientá-lo em relação à prevenção de quedas.

O domicílio dos idosos, como cenário de quedas, merece atenção especial na organização estrutural. Medidas simples, tais como a colocação de barras de apoio, principalmente nos banheiros, uma boa iluminação, o uso de pisos e tapetes antiderrapantes, são algumas condutas que auxiliarão, e muito, a vida dos idosos, minimizando os riscos de estes sofrerem quedas.

A prática de exercícios físicos e a prática de atividades, como o pilates, tem se mostrado muito eficaz na prevenção de quedas, uma vez que aumenta a força muscular, melhora o equilíbrio corporal, a flexibilidade, a coordenação motora e a propriocepção. Além disso, manter uma boa alimentação é fundamental para o processo.

Acima de tudo, é de extrema importância a conscientização dos idosos em relação orientações sistemáticas, com o intuito de torná-los mais atentos e cautelosos em relação às quedas.

CUIDE-SE!