Descubra quais são os profissionais que mais reclamam de dor nas costas

em 26 de janeiro de 2018

OS 5 PROFISSIONAIS QUE MAIS SOFREM COM DOR NAS COSTAS

Você já parou para pensar que aquela dor recorrente nas costas ou no pescoço, por exemplo, pode estar associada às funções que você desempenha em sua profissão? A realização profissional e o empenho são fatores importantes, mas muitas vezes, por descuido ou falta de informação, podem ocasionar problemas à saúde.

Uma coisa é fato: o automatismo, a internet, as especificidades profissionais e muitos outros fatores fazem com que as pessoas fiquem mais paradas. Logo, cada vez mais, trabalhamos realizando tarefas pontuais, de movimentos repetitivos e de pouca variação. Sendo assim, indivíduos que trabalham muitas horas sentados costumam apresentar muitas dores e problemas de coluna ao longo do tempo. Isso porque essa posição é responsável pelas alterações dos ângulos do quadril e da coluna que, comumente, são os principais causadores de dores, de lesões degenerativas e outros malefícios.

Simples movimentos do dia a dia como agachar, levantar, sentar, carregar bolsas, entrar ou sair do carro, dependendo do movimento pode agravar a dor na coluna.

Conheça quais são as profissões que correm mais risco de ter problemas na coluna:

1) Secretária / Recepcionista

Pessoas que trabalham o dia todo sentadas na mesma posição aumentam a carga da coluna justamente por não manter a postura adequada. Sem contar que o salto alto (no caso das mulheres), muito comum nessas profissões, altera a curvatura da coluna. Com o tempo, vão se queixar de dores na coluna, principalmente aquelas que necessitam fazer o uso salto do alto. Nesse caso, é recomendado adotar uma postura adequada e se a dor persistir consultar um especialista.

2) Operadores de Telemarketing

Esse trabalho impõe ao corpo posturas em que a coluna vertebral permanece estática por longos períodos enquanto os membros superiores precisam realizar movimentos elaborados e repetitivos sendo que os funcionários necessitam manter-se sentados por um período maior de tempo.

3) Operadores de Máquinas

Esses profissionais executam a maior parte de suas tarefas com o tronco cervical para frente o que sobrecarrega os discos vertebrais. Eles podem sofrer com uma hérnia de disco cervical, apresentando dor nos ombros, braços e pescoço.

Além disso, pode ocorrer uma sensibilidade ou fraqueza nos braços, impedindo que a pessoa continue trabalhando. Por isso, ao notar os sintomas, deve procurar um especialista. A boa notícia é que somente 10% dos casos de hérnia de disco necessita de tratamento cirúrgico. Tratamento alternativos, como a osteopatia podem apresentar excelentes resultados.

4) Atletas

Dor nas costas é uma das queixas mais comuns entre atletas, como os corredores, ciclistas, nadadores, etc. São mais frequentes em atletas que utilizam as articulações em excesso, realizam movimentos repetitivos ou não mantém a postura correta na realização das atividades.

5) Motoristas

Os motoristas são os que mais sofrem com a dor ciática. A postura que o profissional mantém dentro do carro acaba pressionando o nervo ciático, e por isso, ele começa sentir uma dor que dá início na região lombar, passa pelas nádegas e vai em direção até o pé.

A dor ciática pode ser evitada após alguns períodos de descanso. Não sofra com a dor nas costas, mantenha hábitos saudáveis no trabalho, fique atento a postura e pratique atividade física para melhorar a mobilidade e fortalecer a coluna.

 

PREVENÇÃO

PARA QUEM TRABALHA SENTADO

Uma boa dica para quem precisa trabalhar sentado é optar por intervalos para realizar alguns alongamentos do corpo ou uma leve caminhada. Também é importante investir na boa alimentação para evitar o sobrepeso e prejudicar ainda mais a coluna enquanto estiver sentado. Observe sempre sua postura, não relaxe: sente-se com o bumbum próximo do encosto da cadeira e os calcanhares devem alcançar o chão. Para ajudar na manutenção da curvatura lombar ao se sentar, procure colocar uma pequena almofada nesta região.

PARA QUEM TRABALHA EM PÉ

Pessoas que trabalham em pé também apresentam queixas em relação à saúde, como é o caso de funcionários que atuam em linhas de montagem, por exemplo, que também estão suscetíveis a problemas na coluna vertebral. A razão é que essa postura coloca o centro corporal da gravidade adiante da coluna vertebral, o que a mantém sob um momento constante de inclinação anterior. O esforço muscular não causa, apenas, cansaço nas pernas, o peso do corpo também causa pressão sobre o eixo da coluna vertebral ao longo do dia. É um ciclo vicioso com a produção de desequilíbrios musculares. E para se manter ereto, o profissional acaba submetendo os músculos da postura estática a um estado constante de tensão.

Muitas vezes, considera-se que a postura em pé no trabalho seja a mais correta, uma vez que nessa posição as curvaturas da coluna estão em alinhamento correto, reduzindo as pressões sobre o disco intervertebral. Entretanto, a manutenção da posição por longo período conduz ao uso assimétrico dos membros inferiores, apoiando o peso de forma alternada entre as pernas. Músculos e articulações envolvidos na sustentação dessa posição acabam sendo prejudicados pela solicitação contínua, logo a musculatura cansa e tende a enfraquecer, levando a alterações posturais.

A fim de reduzir a solicitação muscular dos membros inferiores, além de aliviar esse excesso de pressão sobre a região lombar, evitando, consequentemente, complicações sérias é importante investigar a possibilidade de projetar o posto de trabalho, de modo a viabilizar uma alternância da postura sentada com a postura em pé.

PARA QUEM CARREGA PESO

Quando o profissional trabalha com o carregamento de peso, deve levar em consideração a forma de levantá-lo e a sua própria massa corporal com relação ao objeto. É importante lembrar que quanto mais prolongado for o tempo de permanência com o peso e a postura ao carregá-lo estiver incorreta, mais danos o profissional trará para sua coluna.

Ao se inclinar para pegar algum objeto, principalmente, se ele estiver no chão, o indivíduo deve ter muita atenção com a postura utilizada: é fundamental manter os joelhos semiflexionados, os pés afastados e o abdômen contraído, a coluna deve permanecer reta (nunca dobre o tronco), realizando força, apenas, nas pernas para erguer o peso; a carga deve estar próxima ao corpo para um maior conforto em transportá-la e nunca deve ser carregada na cabeça (pois compromete o equilíbrio e comprime as vértebras cervicais da coluna), mas com uma boa distribuição do peso nos braços.

Lembre-se sempre que a dor de caráter crônico de longa duração, caracteriza-se por durar mais de três meses, causando grande incapacidade funcional, laborativa, social e familiar.

A dor na coluna pode ser passageira como também pode ser intensa e repetitivas, nesse caso merece atenção de um especialista.
 

DIAGNÓSTICO E EXAMES

O histórico do problema das dores na coluna do paciente poderá contribuir bastante para o seu diagnóstico, como também um exame físico detalhado da postura, amplitude de movimento, espasmo muscular, dor e força muscular.

 

TRATAMENTO PARA DOR NAS COSTAS

O tratamento irá depender da real causa desta dor nas costas se é uma protrusão, uma hérnia, ou se o problema é somente postural, muscular, ergonômico.

Todas as técnicas do programa RMA da Coluna Vertebral podem ser utilizadas para dor nas costas, principalmente a fisioterapia manual e a mesa de flexão.

 

RMA da Coluna Vertebral

É um programa fisioterapêutico que utiliza técnicas de Fisioterapia Manual, mesa de tração eletrônica, mesa de descompressão dinâmica. Estabilização Vertebral e Exercícios de Musculação. Ele visa melhorar o grau de mobilidade músculo-articular, diminuir a compressão no complexo disco vértebras e facetas, dando espaço para nervos e gânglios, fortalecer os músculos profundos e posturais da coluna vertebral através de exercícios terapêuticos específicos enfatizando o controle intersegmentar da coluna lombar, cervical, quadril e ombro.